4. Junto com a chuva

cap4

— Por que você está aqui?

— Não sei. – simplesmente saiu de minha boca antes que eu pudesse pensar. Eu podia sentir seus olhos me examinando. Eu não era especial. Meus olhos e cabelos eram negros. Minha pele era morena e eu não era alto. Pelo contrário. Eu não chamava atenção. Porque ela estaria com tanto interesse em mim?

Eu deveria levar em consideração o meu estado de embriaguez. Depois da primeira hora no bar da esquina de casa com Erick, o álcool já tinha começado a agir no meu metabolismo.

É isso!

Ela era só mais uma alucinação causada pela tequila.

— Qual o seu nome?

— Tom.

— Meu nome é Kaya. Eu vou te ajudar a sair dessa.

Dá para parar de falar como se eu precisasse ser salvo, porra?

Eu não falei isso, mas estava entalado na garganta. Se fosse para ter uma alucinação porque não uma decente? Meu subconsciente sabe que eu adoro mulheres altas. Preferencialmente ruivas. Se fosse muda melhor ainda!

O mar lá em baixo estava negro feito petróleo. A lua estava completamente encoberta e as nuvens se adensaram. Uma tempestade viria logo.

— Por que você está aqui? – ela repetiu.

Eu não respondi. A resposta ainda era a mesma. Eu iria acabar com aquilo logo ou não?

— Por quê?

— Eu decidi acabar com tudo.

— Tudo o que?

— Para uma alucinação você fala demais.

Kaya riu. Sua risada parecia a de uma criança. O som doce e delicado, fascinante. Ao mesmo tempo, uma trovoada enche meus ouvidos.

Me inclinei para a frente e observei o meu fim.

Kaya segurou o meu braço. Seus dedos eram delicados, porém firmes.

— Não faça isso.

Junto com a primeira gota de chuva, eu caí.

4. Junto com a chuva